Fronteiras Invisíveis do Futebol #26 – Chapecó


Xadrez Verbal

Fronteiras Invisíveis do Futebol é a nova iniciativa do Xadrez Verbal, um podcast sobre História, política atual, geopolítica, tudo isso com o fio condutor do futebol. Apresentado pelo meu amigo Matias Pinto, que também apresenta o podcast que vocês tanto apoiam, o programa será quinzenal, com um belo trabalho de edição. Em cada programa teremos A História, O Campo e O Mapa, contando sobre alguma região do planeta, sua identidade cultural e sua História. A série é motivada pela série de textos especiais Fronteiras Invisíveis da Europa, que discute nacionalismos, regionalismos e a União Europeia.

Ainda sensibilizados pela fatalidade da madrugada 29 de novembro, decidimos homenagear a Chapecoense e os habitantes da cidade, localizada no oeste de Santa Catarina. Os primeiros habitantes da região pertenciam ao tronco linguístico macro-jê, sendo denominados posteriormente de kaingangs (“moradores do mato”), dos quais muitos foram catequizados pelos jesuítas, enquanto outros foram escravizados pelos bandeirantes.

Ver o post original 446 mais palavras

Você doaria seu dados?


cq5dam-web-1440-660

Por que não usar os nossos dados para melhorar a prevenção de doenças?

“Vivemos em um mundo onde usamos milhões de variáveis para prever qual anúncio você vai clicar. Se você tem ou não direito à um empréstimo. Que filme você pode assistir em seguida. Mas quando se trata de nossos corpos e até mesmo graves doenças, queremos reduzir as informações a apenas uma ou duas variáveis.”

“É uma loucura que tenhamos tão pouco dados sobre nossas medidas. A batalha é grande para o médico atual ter acesso aos dados, estamos usando ferramentas de 200 anos para ter estes dados tão limitados”.

É por isso que precisamos pegar emprestado de outros domínios da ciência e dados e aplicar isso para nossos corpos, de todas as formas, eis o argumento do fundador da Q, o CEO Jeffrey Kaditz no podcast a16z, sócio do bio fundo Vijay Pande (em conversa com Sonal Chokshi).

Mas como chegamos lá? Como poderiamos definir o direito àos dados? Poderiam possivelmente doar dados como nós atualmente doamos órgãos? E para a captura de doenças como o câncer de próstata ou mama cedo, como podemos usar dados capturados em vários pontos no tempo — algo que não é realmente feito agora na medicina — para ser mais preditiva, sensível e específico, além de amostras de população “representativas”? O que é um ‘diagnóstico’, realmente, afinal um modelo preditivo?

Para pensarmos:

“A sociedade tornou-se estatística. Um novo tipo de lei veio a ser, análogo às leis da natureza, mas pertencente às pessoas. Estas novas leis foram expressas em termos de probabilidade. “

Ian Hacking

Link para escutar o podcast: Podcast a16z- Health data feedback loop

A pausa nos ajuda a memorizar


Estudos indicam que fazer intervalos entre tarefas é bom para a memória e produtividade, já que transmissão de informações no cérebro é mais eficaz durante repouso

sono-e-descanso-sao-beneficos-para-a-memoria

Noites mal dormidas de corpos debruçados sobre estudos e trabalho são símbolo de esforço. Mas, segundo a ciência, a prática é ineficiente. Ao que tudo indica, as horas a mais dedicadas a uma tarefa intelectual podem ser prejudiciais ao cérebro. Em contrapartida, vários estudos mostram que descansar de tempos em tempos favorece a memória e a produtividade.

Quando o cérebro repousa, a memória faz mais associações ou armazena melhor conteúdos. Pesquisadores da Universidade da Califórnia constataram, por exemplo, que ratos apresentam novos padrões de atividade cerebral quando são colocados em um lugar desconhecido. Mas eles apenas processam esses novos padrões quando fazem um “intervalo” na exploração.

Isso acontece porque é durante o descanso que o hipocampo – região do cérebro considerada “sede” da memória – transfere informação para ser armazenada no córtex. Sem repouso, a transferência não ocorre ou é feita em menor escala.

“Provavelmente o tempo ocioso permite que o cérebro ‘revise’ as experiências, solidifique-as e as torne memórias de longo prazo.”
Loren Frank, Professor-assistente da Universidade da Califórnia, ao jornal “The New York Times”

Pesquisadores da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) chegaram a conclusão semelhante. Eles fizeram testes com 584 alunos de 10 a 15 anos para avaliar o que cada um registrava após uma “soneca” depois da aula. Os resultados mostraram que estudantes que tiravam um cochilo memorizavam melhor o conteúdo acadêmico.

“A ideia é que você possa usar a soneca como elemento catalisador da memória”
Sidarta Ribeiro, Neurocientista da UFRN

O mesmo vale para a produtividade. Cientistas recomendam que as pessoas trabalhem com foco em períodos de 60 a 90 minutos, e então façam um intervalo. A indicação foi homologada por um estudo do psicólogo sueco K. Anders Ericsson.

Na pesquisa, Ericsson acompanhou aulas de treino de violinistas. Chegou à conclusão que bons violinistas praticavam o mesmo número de horas que os de elite – portanto, melhores ainda. No entanto, os de maior destaque mantinham uma rotina em que revezavam horas de prática com momentos de descanso.

“Descansar o cérebro” não significa necessariamente dormir. Isso pode ser feito de outras formas, como atividades físicas, meditação ou simplesmente mudando o foco da atenção. Cientistas que falaram ao jornal “The New York Times”, no entanto, apontaram que o uso de tecnologia em todos os momentos (durante exercícios físicos, na espera de filas, no transporte público) priva o cérebro desses momentos de descanso.

Link original:

Por que descansar é fundamental para aprender melhor

Link de referencia:

  1. Alguns hacks que os neurocientistas e psicólogos sabem que a as pessoas não percebem
  2. Os devices estão tirando o tempo de pausa do seu cérebro
  3. Sonecas podem ajudam os adolescentes a memorizar melhor
  4. Acertando as contas com o dia a dia: como chegar à soneca perfeita
  5. O papel de ações deliberadas para aumentar a performance

Os perigos da empatia


Na política e diretrizes, tentar sentir a dor dos outros é uma má ideia. A empatia distorce o nosso raciocínio e nos torna tendenciosos, tribais e muitas vezes cruéis

os-perigos-da-empatia

Em todos lugares, na política americana, líderes falam sobre a necessidade de empatia.  A instância mais conhecida, é claro, vem de Bill Clinton, que disse uma ativista contra a AIDS em 1992, “Eu sinto sua dor”. Mas também tem sido um tema recorrente na carreira de Barack Obama, que declarou em 2007 (enquanto ainda um senador) que “o maior déficit que temos na nossa sociedade e no mundo agora é um défice de empatia”.

E não é apenas um reflexo de liberal.  Há alguns meses atrás, George W.  Bush falou em um serviço memorial em Dallas para cinco policiais morto e disse, “No nosso melhor, nós praticamos empatia, nos imaginando nas vidas e circunstâncias dos outros.” Ainda como candidato, mesmo Donald Trump, convidou os americanos a se identificar com o sofrimento dos outros, desde deslocados operários do “cinturão enferrujado” até as vítimas de crimes por imigrantes em situação irregular.

Claro que há óbvias diferenças ideológicas sobre quem merece a nossa empatia, é um dos raros sentimentos políticos que ainda atraem um amplo consenso.  E é uma pena, pois quando se trata de orientar nossas decisões, empatia é um desastre moral.  Faz o pior do mundo.  Quando nós temos o bom senso para deixa-lo de lado, nós somos pessoas melhores e exercitamos melhor a política.

O que entendemos por empatia? Alguns usam a palavra para descrever o que os psicólogos chamam de empatia cognitiva — ou seja, a capacidade de entender o que se passa nas mentes de outras pessoas, sem necessariamente compartilhar seus sentimentos.  Empatia neste sentido é essencial; não podemos agir efetivamente no mundo se não temos algum sentido do que os outros desejam.  Mas isso não é inerentemente uma força positiva.  Empatia cognitiva elevada também é necessária para um bem-sucedido homem com confiança, sedutor ou torturador.

Quando a maioria de nós fala sobre empatia, queremos dizer o que os psicólogos chamam de empatia emocional.  Isso vai além da mera compreensão.  Sentir empatia por alguém nesse sentido significa que você compartilhar suas experiências e o sofrimento — se sente o que estão sentindo.

Esta é uma parte importante da vida.  Tal empatia amplifica os prazeres do sexo e esportes, e sustenta grande parte do apetite que temos para romances, filmes e televisão.  Acima de tudo, as pessoas querem partilhar os sentimentos dos seus amigos e parceiros românticos; é uma parte básica da intimidade. Empatia emocional.

Mas é algo diferente quando se trata de orientar nossos julgamentos morais e decisões políticas.  Pesquisas recentes em neurociência e psicologia (isso sem falar do que vemos no nosso cotidiano) mostram que empatia nos torna preconceituoso, tribal e muitas vezes cruel.

Grande parte da ciência da empatia envolve digitalização cérebros de pessoas e sujeitá-los a determinadas experiências (que geralmente levemente dolorosos como um choque elétrico, uma picada de agulha com o dedo ou um estouro de ruído através de fones de ouvido).  Estes exames são então comparados, e como seus cérebros respondem ao assistir outros aos receberem choques e picadas.

E certa medida, nós literalmente sentir a dor dos outros.

Não importa como você é o teste, há uma sobreposição neural: a resposta do seu cérebro, é à sua própria dor — em áreas como a insula anterior e o córtex cingulado — é semelhante a como reage quando você simpatizar com a dor de outra pessoa.  Resposta de Clinton era mais do que uma metáfora — até certo ponto, nós literalmente sentimos a dor dos outros.

Estudos também encontram, no entanto, que a empatia é parcial.  Alguns destes preconceitos são superficiais, com base em considerações como etnia e afiliação.  Um estudo, publicado em 2010 na revista Neuron, testou os fãs do futebol europeu masculino.  Um voluntário iria receber um choque nas costas de sua mão e depois ver outro homem receber o mesmo choque.  Quando o outro homem foi descrito como um fã da mesma equipe do voluntário, a resposta neural foi empática – a sobreposição com a dor dos outros – era forte.  Mas quando o homem foi descrito como um fã de uma equipa adversária, não foi.

Outros preconceitos são mais fortes.  Você se sente mais empatia com alguém que você conheceu no passado, do que com alguém que traiu você e mais empatia por alguém que cooperamos com do que para um concorrente.

E a empatia é desativada você acredita que alguém é responsável por seu próprio sofrimento.  Um estudo publicado em 2010 na revista de neurociência cognitiva mostrou vídeos de pessoas que disseram ter AIDS.  Quando eles foram descritos como sendo infectado através do uso de drogas intravenosas, voluntários sentiram menos empatia do que se eles foram descritos como sendo infectado por uma transfusão de sangue.

Nossas respostas empáticas não são apenas distorcidas; elas nos levam a ignorar cálculos práticos.  Em estudos relatados em 2005 no “Journal of Behavioral Decision Making”, pesquisadores perguntaram as pessoas quanto dinheiro eles iriam doar para ajudar a desenvolver uma droga que salvaria a vida de uma criança e pediu a outras pessoas quanto eles dariam para desenvolver um medicamento para salvar oito filhos.  Os participantes da pesquisa foram alheios aos números — deram mais ou menos o mesmo em ambos os casos.  Porém a empatia para um único filho foi testada, ao mostrar uma fotografia da criança e dizendo o nome dela para os voluntários, havia maiores doações para ela, do que aos oito do teste anterior.

A empatia é ativada quando você pensa sobre um indivíduo específico — o chamado efeito da vítima “identificável” — mas ele não consegue levar em conta considerações mais amplas.  Isso é bem ilustrado por um experimento clássico de 1995, publicado no “Journal of Personality and Social Psychology”.  Voluntários escutaram sobre uma garota de 10 anos de idade chamada Sheri Summers, que tinha uma doença fatal e saiu de uma lista de espera para o tratamento que poderia aliviar a dor dela.  Quando indivíduos receberam a oportunidade de dar o seu tratamento imediato — colocá-la à frente de crianças que tiveram doenças mais graves ou que tinha esperado mais — disseram que geralmente não dariam a oportunidade.  Mas quando eles primeiro foram convidados a imaginar o que ela sentia, para se colocar no lugar dela, geralmente eles disseram que sim, dariam a oportunidade.

Somos nós neste tipo de matemática moral perversa no mundo real.  É por isso o desejo do povo para ajudar cães maltratados, ou pinguins encharcados de óleo, muitas vezes são maiores que o interesse em aliviar o sofrimento de milhões de pessoas em outros países ou minorias no seu próprio país.  É por isso que governos e indivíduos às vezes se importam mais com uma garotinha presa em um poço do que sobre as crises que afetam muitas mais pessoas.

É por isso também, o porque estamos tão preocupados quando se trata de vítimas imediatas das políticas — alguém que é agredido por um prisioneiro que foi liberado, uma criança que fica doente devido a uma vacina mal realizada, alguém com desvio de dinheiro ou má conduta profissional — mas somos relativamente indiferentes quando se trata de sentir a dor que a política pode nos trazer no futuro.  Um programa liberdade condicional pode levar a uma queda geral no crime, mas você não pode sentir empatia, ao pensar em uma mudança de estatística do número, e não nas pessoas que não são agredidas.

Nos debates políticos e morais, as nossas posições, muitas vezes as nossas escolhas refletem com quem simpatizamos.  Podemos sentir empatia com as minorias que prejudicadas e mortas pela aplicação da lei — ou com os policiais, cujas vidas estão muitas vezes em perigo.  Com estudantes de minorias que não podem entrar na faculdade — ou com alunos brancos barrados, mesmo que eles tenham melhores notas.  Você simpatizar com uma mãe que se mata? Ou com uma mulher que é sofre abuso porque ela é proibida de comprar uma arma para se defender? Com os refugiados sírios que só querem começar uma nova vida, ou com o americano que perde o emprego para um imigrante?

Tais preocupações empáticas podem levar a agressividade.  Considere que os momentos mais empáticos em 2016, vieram com o Trump, em seus ataques a imigrantes em situação irregular.  Donald Trump não estava mexendo empatia com os imigrantes, claro, mas para aqueles que ele descreveu como suas vítimas, os que foram violentados, assaltados e mortos pelos imigrantes.

Nós podemos ver a conexão entre a empatia e a agressão, em pesquisas.  Em um estudo de 2014, publicado no “Personality and Social Psychology Bulletin”, mostraram os voluntários um estudante financeiramente carente que estava entrando em uma competição de matemática para ganhar um prêmio em dinheiro.  Foram motivados a sentir empatia com o aluno. O que é surpreendente é que os voluntários foram, simultaneamente, motivados a atrapalhar o concorrente do aluno — dando doses de pimenta para ela consumir — mesmo que ela claramente não fez nada de errado.

Tendo em conta todos estes problemas com a empatia, seria bom usar para substituir a nossa tendência a racionalidade.  A maioria das pessoas concordaria, ao refletirem, que estas decisões, orientado à empatia estão enganadas — uma pessoa não vale mais de oito filhos, não deveríamos parar um programa de vacina por causa de uma única criança doente.  Podemos ver que em qualquer decisão importante — sobre a justiça criminal, de políticas de diversidade no ensino superior ou mesmo no controle de armas ou imigração — inevitavelmente teremos vencedores e perdedores, e assim um podemos sempre encontrar alguém para criar em ambos os lados da questão.

E sobre a nossa motivação para ser gente boa? Se nós não tivermos empatia com os outros, não sentirmos sua dor, porque nos importaria a ajudá-los? Se a alternativa a empatia é apatia, então talvez nós deveríamos ficar com ela, independentemente de suas falhas.

Vejamos pelo lado bom, a empatia não é a única força que nos motiva a fazer o bem.  Empatia pode ser claramente diferenciada da preocupação ou compaixão — se importar com os outros, valorizando os seus caminhos.  A distinção é bem resumida pelos neurocientistas Tania Singer e Olga Klimecki, em um artigo da revista “Current Biology” de 2014: “em contraste com empatia, compaixão não significa compartilhar o sofrimento do outro: pelo contrário, é caracterizado por sentimentos de preocupação, carinho e cuidados para o outro, bem como uma forte motivação para melhorar do outro bem-estar.  Compaixão é sentimento para com o outro, e não se sente com o outro. ”

 

Em uma série de estudos realizados com estudantes de pós-graduação de Yale, Matthew Jordan e Dorsa Amir, publicado em “journal Emotion”, foram comparadas notas do povo em duas escalas diferentes, uma medição empatia emocional e a outra, a medição de compaixão.  Como previsto, as escalas mostram diferentes aspectos da natureza humana: podemos ter alta empatia e baixa compaixão.  Ao mesmo tempo ter alta preocupação, compaixão, que leva à níveis de doação de caridade, mas ter uma baixa empatia.

Há também a pesquisa, liderada por Tania Singer, em que pessoas foram treinadas para sentir empatia ou compaixão.  No treinamento de empatia, as pessoas foram instruídas para tentar sentir o que sentiam as pessoas que sofrem.  No treinamento de compaixão — às vezes chamado de “meditação de bondade amorosa” — eles disseram para direcionar pensamentos quentes em relação aos outros, mas não iam sentir empatia, somente sentimentos positivos.

Os cérebros foram escaneados enquanto eles faziam as ações, foi identificado uma diferença neural em dois casos: a empatia levou a maior ativação no córtex cingulado e insula, as mesmas partes do cérebro que seriam ativadas, se você tivesse empatia com a dor de alguém próximo.  Na compaixão a ativação foi em outras partes do cérebro, tais como o striatum ventral, que participa, entre outras coisas, recompensa e motivação.

Os estudos também revelaram diferenças práticas entre empatia e compaixão.  Empatia foi difícil e desagradável — as pessoas saiam.  Isto é consistente com outros insights sugerindo que sofrimento indireto não só leva à tomada de decisões ruins, mas também provoca estresse e retirada.  Na compaixão, por outro lado, levou a melhores sentimentos por parte do voluntário e comportamento mais amável para com os outros.  Tem todos os benefícios de empatia e poucos esforços.

Os resultados podem ser vinculados as recentes conclusões do Paul Condon e seus colegas, publicadas na revista “Psychological Science” em 2013, que descobriu que os que praticam meditação são mais gentis com os outros e mais dispostos a ajudar (em comparação com um grupo de controle, em que pessoas foram treinadas em outras habilidades cognitivas).  Eles argumentam que a meditação “reduz a ativação das redes cerebrais associadas ao perigo, e melhorando a parte que nos liga socialmente.” Limitar o impacto da empatia realmente tornou mais fácil ser gentil.

Não é possível negar a atração de empatia.  Muitas vezes é irresistível para tentar sentir o mundo como os outros sentem, experimentar de modo indireto seu sofrimento, para ouvir nossos corações.  Realmente parece como um presente, para que expande nossa vida.  A alternativa — o raciocínio misturado com uma compaixão mais distante — parece fria e insensível.  A principal coisa a ser dita a seu favor é que faz o mundo um lugar melhor.

 

Dr.  Bloom Brooks e Suzanne Rager são professor de psicologia na Universidade de Yale.  Este ensaio é adaptado do seu novo livro, “Against Empathy: The Case for Rational Compassion“.

 

Traduzido de:

The Perils of Empathy

 

Links citados:

  1. The perils of empathy, Wall Street Journal
  2. Neural responses to ingroup and outgroup members’ suffering predict individual differences in costly helping
  3. The blame game: the effect of responsibility and social stigma on empathy for pain.
  4. The ‘‘Identified Victim’’ Effect: An Identified Group, or Just a Single Individual?
  5. Immorality from empathy-induced altruism: When compassion and justice conflict
  6. Empathy, Target Distress, and Neurohormone Genes Interact to …
  7. Empathy and compassion
  8. Are empathy and concern psychologically distinct?
  9. Meditation Increases Compassionate Response to Suffering

 

Beat


Cada um no seu quadrado

Ao passo que somos estimulados a “pensar fora da caixa”, seguimos muitas vezes uma rotina repetitiva sem perceber. Romper o loop da mesmice nem sempre é uma tarefa fácil. Produzido pelo israelense Or Bar-El, o curta Beat se vale de alegorias simples mas intrigantes para nos fazer questionar sobre o ritmo de nossas vidas.

Novas ideias surgem de novas conexões. Novas conexões, por sua vez, nascem da ruptura de padrões pré-estabelecidos. Perceba como o personagem, ao se interessar pelas pequenas mudanças em sua rotina, tem sua curiosidade ativada e a frequência da apatia rompida. Nada como uma injeção de inspiração para nos reencontrarmos novamente!

Link: Vimeo – Beat

 

Volta da Velha Matriz Neoliberal e Golpe: Deterioração do Mercado de Trabalho


Cidadania & Cultura

mercado-de-trabalho-2-t-2016desemprego-com-volta-da-vmntaxa-de-desemprego-por-decis-de-rd-pc-2014Infelizmente, estou “como o palhaço vendo o circo pegando fogo” — e impotente para salvá-lo. Mas acho graça da desgraça dos “donos do circo”: os golpistas que usurpam o Poder.

Rio dos colunistas “chapa-branca/usuários de carro-oficial”: eles se esforçam, desde que o governo golpista assumiu no segundo trimestre de 2016, para atribuir todas as desgraças ao passado. Denominam-no de “Nova Matriz Macroeconômica”. Porém, não apresentam prova científica (medição) dessa defasagem. E os números (“não-torturados”: estatística primária) não confessam essa insanidade! Pelo contrário, a estatística prova que sua piora ocorre por causa do estelionato eleitoral com a volta da Velha Matriz Neoliberal em 2015 e desse processo golpista que envolveu locaute empresarial!

A qualidade do mercado de trabalho brasileiro está piorando e o problema vai muito além do número de desempregados, apontam novas informações divulgadas no dia 13/10/16 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados constam da…

Ver o post original 1.867 mais palavras

Desemprego com a Volta da Velha Matriz Neoliberal


Cidadania & Cultura

indicadores-ftindicadores-do-mercado-de-trabalhomercado-de-trabalho-variacao-anual-jul-ago-set-2016taxa-de-desocupacao-2012-3-t-2016

A taxa de desocupação no trimestre móvel encerrado em outubro de 2016 foi estimada em 11,8% para o Brasil, ficando acima da taxa do trimestre móvel encerrado em julho de 2016 (11,6%) e superando em 2,9 pontos percentuais a taxa do mesmo trimestre do ano anterior (8,9%).

A população desocupada (12,0 milhões de pessoas) permaneceu estável em relação ao trimestre de maio a julho de 2016 e subiu 32,7% (mais 3,0 milhões de pessoas) no confronto com igual trimestre de 2015.

Já a população ocupada (89,9 milhões de pessoas) apresentou redução de 0,7%, quando comparada ao trimestre de maio a julho de 2016 (menos 604 mil pessoas). Em comparação com igual trimestre de 2015, foi registrada queda de 2,6% (menos 2,4 milhões de pessoas).

O número de empregados com carteira assinada no setor privado, estimado em 34,0 milhões de pessoas, apresentou queda de 0,9% frente ao trimestre de maio a…

Ver o post original 219 mais palavras